Screenshot How healthy is the Internet
Categories: Saúde da Internet

Cinco tópicos-chave determinarão o futuro da Saúde da Internet

Hoje lançamos a primeira versão completa sobre o estado atual e futuro da Internet no Relatório de Saúde da Internet. Dividimos o conceito de saúde da Internet em cinco tópicos-chave e, adicionalmente, estamos publicando um resumo de cada tópico: privacidade e segurança on-line, descentralização, abertura, alfabetização web e inclusão digital. Esses tópicos-chave são como as peças de um quebra cabeça de uma Internet saudável e vibrante.

Vivemos em um ambiente político complexo! À medida que as políticas e leis em todo o mundo mudam, todos nós precisamos ajudar a proteger nosso maior recurso global compartilhado, a Internet. A saúde da Internet não deve ser uma questão partidária, mas sim uma causa única e defendida por todos nós. Nossas escolhas e ações afetarão a saúde futura da Internet, para o melhor ou para o pior.

Trabalhamos em muitas outras políticas e projetos para avançar em nossa missão, mas acreditamos que esse resumo dos cinco tópicos-chave ajudam a explicar nossas visões e ações no contexto da saúde da Internet:

Imagem de câmeras de segurança com a pergunta: é segura?

1. Privacidade e Segurança:

Segurança e privacidade na Internet são fundamentais e não devem ser tratadas como algo opcional.

Em nosso resumo, destacamos os seguintes subtópicos:

  • Controle do usuário significativo – As pessoas se preocupam com privacidade. Mas a compreensão e o controle efetivos são, muitas vezes, difíceis ou mesmo impossíveis na prática.
  • Coleta de dados e uso – A indústria de tecnologia, com muita frequência, reflete uma cultura de “coletar e acumular todos os dados”. Para preservar a confiança on-line, precisamos ver uma mudança.
  • Vigilância governamental – A desconfiança pública em relação ao governo é alta por causa das práticas amplas de vigilância. Precisamos de mais transparência, responsabilidade e supervisão.
  • Segurança cibernética – A segurança cibernética é a segurança do usuário. É sobre nossa Internet, nossos dados e nossas vidas on-line. Torná-la uma realidade requer um senso compartilhado de responsabilidade.

Proteger sua privacidade e segurança não significa que você tenha algo a esconder. Isso significa que você tem a capacidade de escolher quem sabe aonde você vai e o que você faz.

Foto de árvores co uma rede e a pergunta: Quão aberta é?

2. Abertura:

Uma Internet saudável é aberta, para que juntos possamos inovar.

Para tornar isso uma realidade, concentramos nessas três áreas:

  • Código aberto – Ser aberto pode ser difícil. Ele expõe explicitamente tudo publicamente. Mas também oferece vantagens tremendas.
  • Direito autoral – A lei de direitos autorais criadas para um mundo analógico não combina com a realidade digital e móvel atual.
  • Patentes – Na tecnologia, as patentes excessivas e vagas criam medo, incerteza e dúvida para os inovadores.

As leis de direitos autorais e patentes devem fomentar melhor a colaboração e as oportunidades econômicas. Políticas de código e padrões abertos e pró-inovação devem estar no centro da Internet.

Imagem de um globo com a pergunta: Quem controla e Internet?

3. Descentralização:

Não deveria haver monopólios on-line ou oligopólios. Uma Internet descentralizada é uma Internet saudável.

Para atingir esse objetivo, estamos nos concentrando nas seguintes áreas políticas:

  • Neutralidade da Rede – As operadoras de rede não devem ter permissão para bloquear ou influenciar as escolhas dos usuários ou sua conectividade na Internet.
  • Interoperabilidade – Se os ganhos econômicos de curto prazo limitarem a inovação no setor a longo prazo, toda a indústria de tecnologia e economia sofrerão as consequências.
  • Concorrência e escolha – Precisamos que a Internet seja um motor de competição e escolha do usuário.
  • Contribuição local – A relevância local é mais do que apenas linguagem. Também é adaptado ao contexto cultural e à comunidade local.

Quando há apenas algumas organizações e governos que controlam a maioria do conteúdo on-line, o fluxo vital de ideias e conhecimento é bloqueado. Continuaremos a estudar as políticas públicas para avançar em nossa visão de uma Internet descentralizada.

Imagem de um emoji muçulmanos com a pergunta: Quem é bem-vinda(o) on-line?

4. Inclusão Digital:

As pessoas, independentemente de raça, condição social, nacionalidade ou sexo, devem ter acesso irrestrito à Internet.

Para ajudar a promover uma Internet aberta e inclusiva, estamos nos concentrando nessas questões:

  • Promovendo o acesso universal a toda à Internet – Todos devem ter acesso a toda a diversidade da Internet aberta.
  • Avançando a diversidade on-line – O acesso e o uso da Internet estão longe de serem distribuídos uniformemente. Isso representa um problema de conectividade e um problema de diversidade.
  • Promovendo o respeito on-line – Devemos nos concentrar em mudar e construir sistemas que dependem tanto de tecnologia quanto de seres humanos para aumentar e proteger as diversas vozes na Internet.

Inúmeros e diversos obstáculos impedem a inclusão digital e não serão superados por padrão. Nosso objetivo é colaborar, criar espaço e elevar as contribuições de todos.

Imagem de uma hashtag com a pergunta: Quem pode ter sucesso on-line?

5. Alfabetização Web:

Todos devem ter as habilidades para ler, escrever e participar do mundo digital.

Para ajudar as pessoas em todo o mundo a participar do mundo digital, estamos nos concentrando nessas áreas:

  • Indo além do código – A alfabetização universal na web não significa que todos precisam aprender a desenvolver. Outros tipos de conscientização técnica e empoderamento podem ser muito significativos.
  • Integrando alfabetização web na educação – Incorporar a alfabetização web à educação requer a descoberta de oportunidades e desafios enfrentados por educadores e jovens.
  • Cultivando cidadania digital – Todos os dias, os usuários da Internet devem ser capazes de moldar sua própria experiência, por meio das escolhas que fazem on-line e das políticas e organizações que escolhem fazer parte.

Alfabetização Web deve ser fundamental na educação, como a leitura e a matemática. Capacitar as pessoas para moldar a web permite que as pessoas moldem a própria sociedade. Queremos que as pessoas vão além do consumo e contribuam para o futuro da Internet.


Promover, proteger e preservar uma Internet saudável é um desafio e exige um amplo movimento em muitas frentes diferentes. Esperamos que você leia essas informações e tome ações conjuntas como um movimento global, pois, ao fazer isso, estará protegendo a integridade da Internet. De nossa parte, nos comprometemos a fazer avançar nossa missão e continuar nossa luta por uma Internet vibrante e saudável.


Adaptação de “Five issues that will determine the future of Internet Health” publicado por Chris Riley em 15 de março de 2017.

Tradução/Edição: Geraldo Barros, Cynthia Pereira.